portuguese.jpg english.jpg

Nunca é o bastante

Publicado fevereiro 8, 2017 em Textos
exit-co-pia_orig
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrPin on PinterestEmail this to someoneBuffer this pageShare on LinkedInDigg thisShare on RedditPrint this page

Foto: Paula Ottoni

Não gosto de ser negativa. Mas tem um pensamento que está sempre à espreita, pronto para perturbar a paz interior de quem tenta olhar o lado bom das coisas.

Porque se você para pra pensar, sempre tem alguém melhor do que você. Em tudo. Não importa o quanto você tenha vivido ou o quão bom seja em alguma coisa, há sempre alguém melhor. Nunca é o bastante.

Ao mesmo tempo em que isso nos estimula a continuar, a aprender e melhorar, às vezes cansa. Porque a vida é uma eterna competição, e tem vezes em que estamos de mãos atadas. Tem vezes que não podemos mudar nossas próprias naturezas imperfeitas.

Tem sempre alguém mais bonito que você. Alguém que fala melhor em público. Alguém mais extrovertido e divertido. Alguém mais talentoso. Alguém com um melhor currículo. Alguém mais corajoso, mais sortudo, mais rápido em aprender, com mais tempo, mais dinheiro, mais energia, mais oportunidades… É uma corrida infinita em que parece que sempre estamos ficando para trás. Gastamos nossas vidas nos dedicando a várias coisas, e sim, podemos nos tornar melhores do que muitos em algo, mas isso vai ser o suficiente para nos guiar aos nossos objetivos e à nossa felicidade? Se esforçar é o bastante?

Somos diariamente comparados com outras pessoas, seja pelos outros ou por nós mesmos. Os outros sempre parecem estar vencendo enquanto estamos dando passos de tartaruga. Algumas pessoas vão te chamar de ingrato por “não ver” o quão longe você já chegou, ou o quão perto ficou, e que “um dia vai dar certo”. Mas enquanto esse “um dia” não chega, novas metas aparecem, porque nunca é o bastante. E esse é o sentido de continuar vivendo? De certa maneira sim, e essa é a estranha reflexão que faço às vezes.

Vivemos para estar constantemente insatisfeitos e em busca de algo (ou vários “algo”) que talvez a gente nunca consiga. É elevação? É aprendizado? É a jornada que importa? Eu diria que sim. Temos que parar de querer tanto? A resposta é complexa. Querer e trabalhar por um objetivo é importante, porque é o que nos move, mas e se nunca alcançarmos? E se por mais que façamos esforços a gente nunca chegue aonde quer? Não por falta de tentar, mas porque o mundo é gigante e cheio de pessoas e nem todos podem conseguir a mesma coisa. Vai ter sempre alguém “melhor”. Essa pessoa vai ser mais feliz? Acho que essa relação não existe dessa forma. Você então vai ser mais feliz se aceitar que nunca será tudo o que quer? Não sei também. É uma questão complicada e eu não tenho a resposta. Talvez algum monge tibetano possa lhe dizer.

Só sei que as pessoas que te amam vão sempre achar que você é bom o bastante em todos os aspectos em que você quer ser bem sucedido (a não ser que você seja realmente ruim, mas imagino que você seja uma pessoa iluminada e empenhada). O mundo é que vai ser duro e jogar na sua cara que você ainda tem um longo caminho pela frente (não importa o quão longo o caminho já tenha sido).

Como fazer? Tomar os tapas da vida e ser acolhido por aqueles que ama? É uma maneira. Talvez a vida seja sobre isso. Sobre se frustrar repetidamente, encontrar amor e apoio e esquecer por que você está tão preocupado com o resto. Mas então a vida te dá um novo tapa (com uns socos e pontapés de brinde) e você percebe que precisa viver na sociedade, e ter uma imagem, e ganhar dinheiro, e alcançar algum tipo de sucesso para poder continuar recebendo o carinho daqueles que ama e provendo a eles. E o ciclo continua. Nos dizem o tempo todo que temos que apreciar as pequenas conquistas, e são essas pequenas alegrias – de ver que, sim, você foi bom o suficiente para aquilo – que fazem você respirar um pouco mais calmo de novo.

Não é fácil viver nesse mundo. Não é fácil encontrar um lugar confortável nele. Não é fácil se sentir feliz consigo mesmo. Não é nada fácil. Eu não sei o que te dizer para você parar de se sentir assim, porque eu não posso te dizer para parar de ter ambições e de lutar e de ter esperanças. Esse seria o caminho mais simples. Mas eu posso te dizer para não se sentir inferior, mesmo que você se sinta, porque é isso que alguém que te ama vai dizer.

O mundo não te ama, mas algumas pessoas vão te amar. Elas vão querer você pelo que você é, por mais que haja outras tantas pessoas supostamente “melhores do que você”. Elas não vão te ver como um bando de “qualidades ambulantes”. Elas vão se importar com você. Você não será um número, alguém que para ser bom o suficiente tem que já ter sido considerado bom o suficiente por vários outros. Elas vão apreciar o que você faz, do seu próprio jeito, porque, afinal, pessoas são diferentes, certo?

Talvez você só não tenha encontrado seu caminho ainda. Talvez ainda esteja encontrando e o que deseja você consiga de uma maneira diferente da que estava esperando. Talvez a sorte ainda esteja a caminho e só precisa que você espere. Então pegue um cobertor e se aconchegue perto da pessoa amada – seja sua mãe, seu filho, seu marido, sua namorada ou seu cachorro. Eles vão te amar. E ser bom o suficiente para uma pessoa, num momento que seja, já significa o mundo.

- Paula Ottoni





Copyright © Paula Ottoni, 2016.

Sem Comentários em “Nunca é o bastante”

Deixe um Comentário